OCEAN, PINTURA DE AGOSTINO VERONI

eu vi a poesia!
ela estava entre minhas mãos
tão voraz
e
tão fugaz
quanto uma catarata
que cai
cai
c a i
e molha
e afunda
e afoga
enquanto afaga

e eu tentei tanto
apanhá-la e aprisioná-la
num papel com meus traços e rabiscos
mas me escorreu entre os dedos
que lambi com tesão
pra sentir o sabor de todas as coisas

então
percebi que a poesia
é uma vertigem lúcida
é rio que corre
corre
c o r r e
e que escrever
é tentar parar a água

Nota: este poema está presente no meu livro o olho, publicado em 2020 pela Editora Madrepérola.

--

--

STRAITJACKET (CAMISA DE FORÇA), PINTURA DE KRIS GEBHARDT

EU GRITO ATÉ QUE MINHAS PREGAS VOCAIS RESSEQUEM
ATÉ CHEGAR À ROUQUIDÃO
E CONTINUO GRITANDO
MESMO QUANDO ACABA A VOZ
PORQUE SÓ ASSIM CONSIGO EXPRESSAR MINHA VIOLÊNCIA

MEUS PULSOS ESGUIOS E FRÁGEIS
NÃO TÊM FORÇA SUFICIENTE
CONTRA AS PAREDES QUE PROTEGEM
ESSE INIMIGO INVISÍVEL

APANHANDO TODOS OS DIAS SEM PODER REVIDAR
ME REVOLTO CONTRA MIM MESMO
E DISPARO GOLPES PARA DENTRO
NA TENTATIVA DE ATINGIR
O QUE FORA NÃO PUDE ACERTAR

BANHADO PELO SANGUE DESTE COMBATE ETERNO
E
VENCIDO POR EXAUSTÃO
RESTA APENAS A RESIGNAÇÃO

DIAGNOSTICADO COMO SUBVERSIVO
E
LOBOTOMIZADO
AGORA ACATO AS ORDENS DO ALGOZ
E
ACEITO UMA RECEITA DE COMPRIMIDOS
PARA ADEQUAR MEU COMPORTAMENTO
E SUPORTAR ESTA DOR
QUE NENHUM DOUTOR PÔDE OU QUIS TRATAR

DENTRO DE UMA FALSA DEMOCRACIA
INCONFORMIDADE É PATOLOGIA
LOUCO É QUEM ESTAVA SÃO

Nota: este poema está presente no meu livro o olho, publicado em 2020 pela Editora Madrepérola.

--

--

Cansei de mim, da minha imagem. Que raiva! Tantas limusines por aí e nasci Fusca — além de tudo, com a lataria amassada e motor pifado. Tenho a beleza de uma flatulência durante a ceia. Decidi renovar minha estética patética. Fiz uma maracutaia e saqueei uma loja de produtos de beleza. Entre eles, uma loção corporal 100% artesanal. Chique, né? Me banhei e utilizei tudo que furtei. Aproveitei do luxo para tentar ser menos esdrúxulo. Resultado? Continuava horroroso. Raivoso, fui ao boteco do Joaquim comprar chocolate em pó — por identificação, peguei o mais barato, que tinha a pior embalagem. Aceitei que sou feio, mas, pelo menos, tô cheiroso e com o bucho cheio.

Gostou?

Então, deixe seus claps (de 1 a 50). :)
Você também pode conhecer meus poemas e livros de poesia pelo Instagram @jeancarlobarusso ou nesta página: https://sobre.vivendoapoesia.com.br/jean-carlo-barusso

--

--

Jean Carlo Barusso

Jean Carlo Barusso

29 anos, poeta, publicitário, professor, compositor e editor. Dois livros de poesia publicados. Instagram: @jeancarlobarusso